EL PADRE REBAZA, UNA VIDA AL SERVICIO DE LOS DEMÁS

miércoles, 31 de agosto de 2011

Agulha Revista de Cultura | Fase II | Edição nº ZERO | Fortaleza, setembro de 2011

Edição nº ZERO | Fortaleza, setembro de 2011

EDITORIAL
EDITORIAL

01 | GREGORY CORSO: A POESIA QUE NÃO PODE SER DESTRUÍDA | Ensaio de Márcio Simões (1979) sobre Gregory Corso. | “Uma descrença e vontade demolidora com relações às ideias que comandam as subjetividades perpassam seus poemas, onde se aliam à compreensão de que tudo que constrange o ser e o impede de aceitar o instante de maneira plena é um mal à vida. Sua poesia valoriza a experiência sensível imediata, não mediada por juízos de valor. Está empenhada em se ver livre de toda limitação de pensamento.” | Texto completo.

02 | GUSTAVE MOREAU Y LA EXQUISITA FEMINIDAD | Ensayo de Jorge Leal Labrin (1953) sobre Gustave Moreau. | “Piel tersa, blanca transparente, sonrosada. El maestro de finísimas formas, de diosas perfectas, conjuga lo carnal en el límite de lo celestial y de la lujuria; revela aquello exquisito en las mujeres: su carne que manifiesta a susurros las más grandes fantasías y pasiones. Moreau, como ningún otro, pudo sentir en las sombras la furia del color y su luminosidad en aquellas zonas de cuerpos palpitantes e irradiantes.” | Texto completo.

03 | HAITI Y LA MARTINICA: TIERRAS DE PROMISION SURREALISTA | Ensayo de Carlos M. Luís (1932) sobre la presencia surrealista en Caribe. | “La Martinica y Haití fueron dos sitios de excepción. La punta de lanza de la poesía de Cesaire se plantó en las selvas de Lam, y terminó como un dardo envenenado, en los versos de Magloire Saint-Aude. En el medio la palabra de Breton resonó como una voz de alarma provocando un renacimiento en ambas islas, de carácter poético en la primera y político en la segunda.” | Texto completo.

04 | JEAN-CLAUDE CARRIÈRE: O ROTEIRISTA E O BUDISMO | Betty Milan (1944) entrevista a Jean-Claude Carrière (1931). | “Jean-Claude Carrière se diz um contador árabe e nos explica por que é tão necessário contar, escrevendo: ‘Contar e matar, contar e morrer frequentemente parecem ligados. Por que Xerazade, com os seus mil e um contos, afasta de si a morte? Pela equivalência existente entre a história e a vida, mas, sobretudo, porque contar é matar e vencer a morte’.” | Texto completo.

05 | MANUEL MONESTEL: MUDAR LA PIEL AL SON DEL CALYPSO LIMONENSE… | Alfonso Peña (1950) entrevista al músico Manuel Monestel (1950). | “En Manuel Monestel, se distinguen dos vertientes bien cimentadas: el investigador y el artista. A lo largo de treinta años, esta ósmosis lo ha llevado a divulgar el calypso limonense en sus diferentes facetas: con su banda Cantoamérica y 12 producciones discográficas, donde el calypso ocupa un lugar destacado; lo mismo se puede argüir en su labor de rescate de las leyendas del calypso limonense. Esto se advierte en la fina grabación y producción que realizó junto al pianista Manuel Obregón en Leyendas del Calypso Limonense.” | Texto completo.

06 | O ENCANTO POR TRÁS DA ESCRITURA DE UNGULANI BA KA KHOSA | Ensaio de Lucílio Manjate (1981) sobre Ungulani Ba Ka Khosa (1957). | “Khosa sugere-nos essa concepção romântica do conhecimento, a qual faz predominar os valores vitais sobre os valores intelectuais, onde a ação, a emoção, a paixão, desempenham os principais papéis. Contra a imagem duma investigação paciente, controlada, discutida, oferece-se o modelo de um saber direto, indecomponível, intraduzível, onde signos como símbolo, mito, imaginação constituirão a porta de entrada para um universo de conhecimentos que o mundo da oralidade encerra e cuja validade deve ser potenciada”. | Texto completo.

07 | O PROCESSO DE FRANZ KAFKA E O DESPROCESSO K., O POVO | Ensaio de Luis Eustáquio Soares (1966) sobre Franz Kafka. | “O processo aberto contra Josef K., o próprio romance, constitui-se tal como a definição aristotélica de aporia, (uma igualdade de conclusões contraditórias), pois se produz e reproduz, literariamente, no jogo sem fim dos contrários reversíveis, metamórficos, o de ser inocente e de ser culpado, como uma palavra única”. | Texto completo.

08 | O TÚNEL E O SUBSOLO: PRESENÇA DE DOSTOIEVSKI EM ERNESTO SABATO | Ensaio de Wanderson Lima (1975) sobre Ernesto Sabato | “Viver no túnel ou no subsolo é, pois, assumir uma luta de antemão perdida, cujo dilema é reconhecer a falibilidade e a fatuidade das utopias que construíram o homem moderno, talvez mesmo o homem de todas as épocas, sem poder transcender a esta condição.” | Texto completo.

09 | THOMAS RAIN CROWE FALA SOBRE CRACK LIGHT, OS MOUNTAIN POETS E O MEIO AMBIENTE | Entrevista de Bill Graham (1966) a Thomas Rain Crowe (1949) | “Eu cresci no condado de Grahan falando o que é chamado agora de fala ou dialeto de Southern Moutain. É uma linguagem própria – quase uma linguagem estrangeira, pelo menos pra quem chega nesta região vindo de outro lugar. É uma linguagem maravilhosamente poética – cheia de imagens coloridas, metáforas e volteios idiomáticos no fraseado.” | Texto completo: [1] Português / [2] Inglês.

10 | TRÊS INCURSÕES NO ESCURO DA NOITE E DO SOL | Ensaio de Nicolau Saião sobre livros de Arturo Pérez-Reverte, Bill Ballinger e Peter Wahloo | “As 3 análises seguintes, ainda que se refiram a livros diferentes uns dos outros de autores de diferentes origens, apontam para algo que lhes é comum e que, a meu ver, explicam um específico universo conceitual e societário em que hoje existimos nesta parte do mundo – a violência camuflada da parte de setores privados, a “suave brutalidade” de cunho estatal.” | Texto completo.

ARTISTA CONVIDADO | NOTAS SOBRE A FOTOGRAFIA DE LUCIANO BONUCCELLI | Ensaio de Roberto Salbitani (1945) sobre Luciano Bonuccelli. “Há dentro do variado arquipélago de imagens de Luciano Bonuccelli um vaivém de estímulos expressivos que, para além das aparências imediatas, diria que acabam sempre se encontrando no mesmo ponto, como para reforçar não tanto uma visão única, mas a idealidade da marca ao mesmo tempo humanista e estética que a funda.” | Luciano Bonucceli (Itália, 1954) é o artista convidado desta edição de ARC. | Texto completo: [1] Português / [2] Italiano.

Agulha Revista de Cultura

editor geral
FLORIANO MARTINS

editor assistente
MÁRCIO SIMÕES

logo & design
FLORIANO MARTINS

revisão de textos & difusão
FLORIANO MARTINS | MÁRCIO SIMÕES

equipe de tradução
FLORIANO MARTINS | MÁRCIO SIMÕES | LUIZ LEITÃO | GLADYS MENDÍA | ÉCLAIR ANTONIO ALMEIDA FILHO

jornalista responsável
SOARES FEITOSA |
DRT/CE, reg. nº 364, 15.05.1964

apoio cultural
JORNAL DE POESIA

contatos
FLORIANO MARTINS
Caixa Postal 52817 - Ag. Aldeota | Fortaleza CE 60150-970 BRASIL
agulha.floriano@gmail.com | floriano.agulha@gmail.com | arcflorianomartins@gmail.com

MÁRCIO SIMÕES
Rua do Sobreiro, 7936 Cidade-satélite | Natal RN 59068-450 BRASIL
mxsimoes@hotmail.com | arcmarciosimoes@gmail.com

registro de domínios para a internet no brasil
www.revista.agulha.nom.br

banco de imagens
acervo triunfo produções ltda

os artigos assinados não refletem necessariamente o pensamento da revista
os editores de agulha revista de cultura não se responsabilizam pela devolução de material não solicitado
todos os direitos reservados © triunfo produções ltda
CNPJ 02.081.443/0001-80




--
Floriano Martins
Projeto Editorial Banda Hispânica

Licencia Reconocimiento-No comercial-Sin obras derivadas 2.5 Perú de Creative Commons.

Constelaciones

Archivo del blog

Datos personales

Mi foto
Peru
Revista de creación y eventos culturales. Moderan: Doan Ortiz Zamora, Alan Bustamante Medina y Jack Farfán Cedrón, escritores peruanos.