Edição nº 01 | Fase II | Fortaleza, janeiro de 2012

EDITORIAL | TODOS OS PORTOS SÃO INSEGUROS | Os primeiros 10 anos de Agulha Revista de Cultura constituem experiência determinante em um ambiente novo como o uso da Internet como meio de difusão e crítica da cultura e suas manifestações estéticas, a arte em geral. Ao lado do Jornal de Poesia, a Agulha Revista de Cultura surge, há 12 anos, com seu duplo caráter pioneiro, a utilização de nova tecnologia e a aposta em criar um lugar saudável de discussão, troca de idéias, sobre as inúmeras fontes de expressão artística. | Texto completo: [1] Português | [2] Inglês | [3] Espanhol | [4] Francês.

01 | ADONIS DA ARÁBIA | Ensaio de Viviane de Santana Paulo (1966) sobre o poeta e ensaísta sírio Adonis (1930). | “Ali Ahmad Said Esber, aliás Adonis, é atualmente o maior expoente da poesia árabe contemporânea, considerado um indispensável elo entre as culturas do Oriente e Ocidente, um intelectual que não teme questionar os dogmas e axiomas arraigados na cultura árabe, assim como a atual realidade político-social do Ocidente.” | Texto completo: [1] Português | [2] Inglês | [3] Espanhol.

02 | CAMILO PRADO & OS ARQUIVOS SECRETOS DA NEPHELIBATA | Floriano Martins (1957) entrevista o editor Camilo Prado (1969). | “Quando trabalhei com venda de livros usados, dentro de universidades, percebi uma coisa: sabe onde se encontram os alunos da área de “humanas” menos interessados em livros? Na pedagogia! Terminei recentemente um doutorado em literatura: tive professores que conhecem tanto de literatura quanto eu entendo de mecânica de ônibus espacial. O quadro geral da leitura no país é desagradável.” | Texto completo: [1] Português | [2] Espanhol.

03 | CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE, JOÃO CABRAL DE MELO NETO E O SER IBÉRICO | Ensaio de Luís Eustáquio Soares (1966) sobre Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) e João Cabral de Melo Neto (1920-1999). | “A produção poética de Carlos Drummond de Andrade e os secos rios de escrita de João Cabral de Melo Neto são partes alegóricas dessa leveza, dessa rapidez, dessa exatidão, dessa visibilidade, multiplicidade e consistência da história cultural da tradição ibérica. No entanto, o modo de realizá-las, poeticamente, de reinventá-las ou reescrevê-las, escrituralmente, é bastante distinto num e noutro poeta.” | Texto completo: [1] Português | [2] Inglês.

04 | CINCO MINUTOS DE SILÊNCIO… POR KEITH JARRETT | Ensaio do colombiano Luis Carlos Muñoz Sarmiento (1957) sobre a música do pianista e compositor estadunidense Keith Jarrett (1945). | “Se houvesse um dia em que durante… digamos cinco minutos, todos permanecêssemos em silêncio, tenho a impressão de que muitas vidas mudariam de uma maneira positiva. Porque às vezes bastam cinco minutos para alguém se dar conta de que está equivocado. O silêncio é o que se necessita para encontrar-se consigo mesmo.” | Texto completo: [1] Espanhol | [2] Português.

05 | D. H. LAWRENCE: UMA FLORESTA SOMBRIA | O filósofo brasileiro Vicente Ferreira da Silva (1916-1963) reflete sobre a essência filosófica da obra do romancista inglês D. H. Lawrence (1885-1930). | “D. H. Lawrence marcou uma assinalada função cultural, propondo-se de todas as maneiras alargar e ampliar os limites do humano. Toda sua gestão de escritor, toda sua paixão no decurso da experiência da vida se coligiu nessa tarefa de descobrir “novos céus e novas terras” para o homem. O que implica, sem mais, acreditar que a representação antropológica que, como investidura social, somos compelidos a executar, traduz unicamente uma singular mutilação de nossas possibilidades de ser.” | Texto completo: [1] Português.

06 | ¿DEBE LA POESÍA MEJORAR LA VIDA? | Ensayo del poeta alemán Gottfried Benn (1886-1956) sobre las relaciones posibles entre poesía y vidaos efectos de la creación en la vida. | “Cuán bello sería, para el que debe escribir, si pudiese unirse nuevamente con un pensamiento superior, un pensamiento sólido, un pensamiento religioso o incluso humano, qué consolación sería para su secreto emisor que transmite rayos mortales; pero creo que en muchos no arraigue pensamiento alguno de esta clase: consolatorio, creo que viven en un cruel vacío donde las flechas vuelan sin que pueda desviarlas, la noche profunda es fría, ahí los rayos poseen un solo valor, allí sólo las esferas supremas tienen valor, y lo humano no está entre ellas.” | Texto completo: [1] Espanhol.

07 | BESTIARIO HERMÉTICO Y SURREALISTA | Ensayo de Carlos M. Luís (1932) sobre la presencia del bestiario en el proceso creativo surrealista. | “El mundo primitivo encarnó para los surrealistas el signo ascendente que motivara su búsqueda por los predios de lo maravilloso. El águila banca como la piedra filosofal que planeaba sobre la Nueva Guinea que Breton percibiera en uno de los poemas de su Pez Soluble, o Las plumas del pájaro maravilloso de colores variados que pasa por las Bodas Químicas de Simón Rosenkreuz, son apariciones que conjuran tres concepciones afines: la hermética, la primitiva y la surrealista.” | Texto completo: [1] Espanhol | [2] Português.

08 | LÉON-GONTRAN DAMAS: PASO DEL POEMA NEGRO | Ensayo de Laurina Rousselet (1974) sobre la poesía de Léon-Gontran Damas (1912-1978) | “Léon-Gontran Damas tiene la percepción de ser negro de carne como se es “hijo de sangre”. Creador de formas, canta imágenes para que la memoria de la identidad le dé su oportunidad a la vida – emocionante por instantánea–. Y si bien la inocencia no cabe en el asalto de los signos por descifrar, la escritura no pretende decir nada sin el grito del “Yo” que apela a la trascendencia. Conocer el mundo por la opresión (la deportación, los tiempos de la merma, el desprecio, la esclavitud, el crimen) está en la misma fuente de la forja de la poesía damasiana: una poesía de combate, una poesía realista en la que música y humor servirán de temblor para ese orden interior.” | Texto completo: [1] Francês | [2] Espanhol | [3] Português.

09 | MARÍA LUISA MARTÍNEZ PASSARGE Y EL DESAFÍO EJEMPLAR DE LA CABRA EDICIONES | Floriano Martins (1957) entrevista María Luisa Martínez Passarge (1956) | “La Cabra Ediciones cuenta con un importante catálogo, resultado de casi trece años de producción editorial. Durante los últimos dos ha bajado la intensidad debido a los ajustes que he tenido que hacer, de manera personal y en lo que se refiere a la función directiva de la editorial. Es muy difícil que una sola persona esté en todos los puntos de la cadena productiva del libro. Siempre se descuidará alguno. Por proyectos no paro. Hacer libros es mi pasión.” | Texto completo: [1] Espanhol.

10 | MICHEL SERRES: EDUCAÇÃO E MESTIÇAGEM | Betty Milan (1944) entrevista Michel Serres (1930) | “Michel Serres foi oficial da marinha de guerra antes de se dedicar à filosofia das ciências e se tornar professor. A sua biobibliografia tanto menciona os navios em que serviu quanto os livros que escreveu e as universidades do mundo em que lecionou. Serres é um pensador que fez pouco das especializações existentes e se especializou em percorrer os saberes para encontrar a ponte que os liga. À maneira do navegador, privilegiou a rota e a passagem, chegando a dar a um dos seus livros o título evocativo de uma das grandes aventuras marítimas do século passado: Passagem do Noroeste.” | Texto completo: [1] Português.

ARTISTA INVITADO | ESTUDIOS DE PIEL DE FLORIANO MARTINS | Ensayo del dominicano Manuel Mora Serrano (1933) sobre el brasileño Floriano Martins (1957). | “Quizás, precisamente, esta serie de Estudios de piel sea bastante ilustrativa, ya que quien asista al desfile de estas insólitas creaciones tendrá que admitir primero, que se trata de auténticas formas de hacer arte, ya que si bien la fotografía en sí ha sido considerada desde hace muchos años como un arte per se, una cosa es lo que la cámara como ente estático ve y registra por los recursos que fueren, y otra, muy diferente es la forma cómo el hombre traduce a otro lenguaje estético esas estancias fijas.” | Texto completo: [1] Espanhol | [2] Português | [3] Inglês.

Agulha Revista de Cultura

editor geral
FLORIANO MARTINS

editor assistente
MÁRCIO SIMÕES

logo & design
FLORIANO MARTINS

revisão de textos & difusão
FLORIANO MARTINS | MÁRCIO SIMÕES

equipe de tradução
ALLAN VIDIGAL | ÉCLAIR ANTONIO ALMEIDA FILHO | FLORIANO MARTINS | GLADYS MENDÍA | LUIZ LEITÃO DA CUNHA | MÁRCIO SIMÕES

jornalista responsável
SOARES FEITOSA | DRT/CE, reg. nº 364, 15.05.1964

apoio cultural
JORNAL DE POESIA

contatos
FLORIANO MARTINS
Caixa Postal 52817 - Ag. Aldeota | Fortaleza CE 60150-970 BRASIL
agulha.floriano@gmail.com | floriano.agulha@gmail.com | arcflorianomartins@gmail.com

MÁRCIO SIMÕES
Rua do Sobreiro, 7936 Cidade-satélite | Natal RN 59068-450 BRASIL
mxsimoes@hotmail.com | arcmarciosimoes@gmail.com

cartas
agulha@groups.facebook.com

registro de domínios para a internet no brasil
www.revista.agulha.nom.br

banco de imagens
acervo | TRIUNFO PRODUÇÕES LTDA

os artigos assinados não refletem necessariamente o pensamento da revista
os editores de ARC não se responsabilizam pela devolução de material não solicitado
não desejando mais receber este anúncio, favor enviar e-mail solicitando exclusão
todos os direitos reservados © triunfo produções ltda
CNPJ 02.081.443/0001-80




--
Abraxas
Floriano Martins
Agulha Revista de Cultura
Caixa Postal 52817 - Ag. Aldeota
Fortaleza CE 60150-970 Brasil
www.revista.agulha.nom.br